quarta-feira, 25 de março de 2015

Cem por cento no rumo certo

Os balanços fazem-se no fim. Mas é sempre possível e pertinente avaliar o caminho já percorrido. A amostra de Julen Lopetegui ainda não é muita (apenas 41 jogos), mas para já o seu trabalho assenta em três méritos: restauração de um balneário despedaçado na época anterior, valorização e evolução de activos e apuramento para os quartos-de-final da Champions. Tudo isto com uma percentagem de vitórias de 70,73%. Que diz esta percentagem? Melhor só técnicos que conquistaram títulos importantes no FC Porto.

Excepção aos treinadores interinos (Artur Baeta, Rui Barros e Alfredo Murça), a Adolphe Cassaigne (nos tempos do futebol distrital, mas vencedor do primeiro Campeonato de Portugal, em 1922) e a Dorival Yustrich (o primeiro brasileiro a treinar o FC Porto e que pôs fim a um jejum de 16 anos sem títulos, logo com uma dobradinha), só quatro treinadores tiveram uma percentagem de vitórias superior à que Lopetegui tem actualmente. Três venceram competições europeias (Artur Jorge, Mourinho e Villas-Boas), o restante fez parte do ciclo do penta (Oliveira).

Treinadores com maior percentagem de vitórias - zerozero.pt
Lopetegui tem uma percentagem de vitórias superior à de Vítor Pereira, Sir Bobby Robson (68,75%), Ivic (67,9%) Jesualdo Ferreira (67,2%), Pedroto (66,56%) ou Co Adriaanse (64,44%). Para a história não fica a percentagem de vitórias, ficam os títulos. Mas depois do annus horribilis que foi a temporada passada, era essencial retomar a rota dos títulos, coisa já alcançada com Julen Lopetegui.

Não tem, opinião, a melhor equipa dos últimos 30 anos. Nem sequer tem a melhor equipa dos últimos 5 anos (Otamendi, Álvaro Pereira, Fernando, Moutinho, James, Hulk, Falcao, heróis de Dublin), mas tem o plantel mais caro. Mas se o que está em causa é a vertente financeira, então Lopetegui já cumpriu a sua parte, ao proporcionar o maior encaixe de sempre na UEFA (ler aqui) e valorizar jogadores que estão na porta de vendas milionárias, essenciais para o FC Porto esta época.

Evolução
Foram delegadas responsabilidades, directa ou indirectamente, a Lopetegui que iam além das típicas funções de treinador de FC Porto. É quase um manager, com a limitação óbvia da SAD ter sempre a última palavra. Mas que Lopetegui luta para ouvir as palavras que quer, que ninguém duvide disso. O prestígio europeu foi restaurado e vamos, orgulhosamente, disputar os 1/4 da Champions, contra a melhor equipa da Europa. A formação voltou a ter um rumo e os mais talentosos voltam a acreditar que podem chegar à equipa principal pelo factor que deveria ser o único a ter em conta: a qualidade. E estamos na luta pelo título de campeão nacional, contra um Benfica que é forte, e quando fraquejou teve aonde ir buscar forças e quem lhas desse.

O último jogo não foi de melhor memória, mas voltámos a ver o FC Porto ser competente e praticar bom futebol. Da lista de treinadores acima apresentada, Lopetegui tem a melhor média de golos sofridos (e já aqui foi referido, o FC Porto tem a melhor defesa da Europa do futebol) e o FC Porto versão 2014-15 tem melhor ataque do que a média com Mourinho, Artur Jorge ou Vítor Pereira. 

A amostra claro que ainda é pequena (estamos a comparar 41 jogos com treinadores que fizeram mais do dobro), mas trata-se de um treinador novo, que desconhecia o futebol português, um plantel renovado e rejuvenescido, o ano que se segue a uma temporada má a todos os níveis e um campeonato ferido de credibilidade - e agora vemos Luís Filipe Vieira, o protagonista da Liga Aliança que continua por esclarecer, a elogiar a credibilidade do futebol português, a propósito da eleição do amigo Fernando Gomes para o Comité Executivo da UEFA. Duas das mais influentes personagens do futebol português, mas ninguém se preocupou em vir a público desmentir ou tentar apurar a veracidade da Liga Aliança, e agora ainda decidem rejubilar com a suposta credibilidade do futebol nacional. Porque será? Talvez do Guaraná.

Como curiosidade. Nos últimos 40 anos, nenhum treinador do Benfica chegou à percentagem de vitórias de Lopetegui. No Sporting, idem. Lopetegui ainda está distante das metas que tem que atingir no FC Porto. Mas o caminho precorrido até agora valeu bem a pena. Bem mais que 70,73%.

13 comentários:

  1. Rodrigo de Almada Martins25 de março de 2015 às 11:48

    Gostaria de saber o porquê da atitude de Fernando Gomes para com o seu FC Porto, equipa da qual é adepto (ao que sei) e da qual foi atleta e dirigente.
    O que se passa verdadeiramente?

    Abraço,

    RAM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que é adepto? Ou foi apenas atleta, e dirigente por oportunismo? Ele saiu do Porto em litígio se bem me lembro. Se calhar só está no futebol pelo dinheiro. O Luís Filipe Vieira também era sócio dos três grandes antes de ser presidente do Benfica, ás tantas nem gosta de futebol. O Fernando Gomes pode muito bem ser benfiquista, não me admirava nada.

      Eliminar
    2. Não é por agora as relações com o presidente não serem boas que Fernando Gomes deixa de ter feito um bom trabalho no FC Porto. Pelo contrário, foi um bom dirigente do FC Porto, com subida a pulso, de capitão da equipa de basket (enquanto fazia economia no Porto) a responsável pela pasta financeira. Saiu pelos mesmos motivos que Angelino Ferreira: insatisfação face ao rumo financeiro adotado pelo FC Porto, na altura em particular depois das contratações de Rúben Micael e Kléber (que acabou por cair), os casos mais célebres.

      Não há que confundir a relação entre Fernando Gomes e Pinto da Costa (e demais SAD, em particular Adelino Caldeira) com o trabalho de Fernando Gomes no FC Porto. Nem há que confundir o seu trabalho na FPF com o seu trabalho no FC Porto. Como tudo o que está associado ao FC Porto desperta anti-corpos neste país, Fernando Gomes lá terá entendido que quanto mais cedo se afastasse do prato onde comeu (e onde ele próprio deitou comida, justo reconhecer) mais bem sucedido seria noutras áreas, no caso nas subidas desde a Liga à FPF, chegando agora à UEFA.

      Eliminar
    3. TdD, muito bem, sempre ponderado e assertivo

      Eliminar
    4. Exactamente. Para chegar onde ele queria teria de se afastar do "rotulo" de portista. Infelizmente não é só ele. Veremos daqui a uns tempos, se a "conversa" não muda radicalemente.

      Eliminar
    5. "Como tudo o que está associado ao FC Porto desperta anti-corpos neste país, Fernando Gomes lá terá entendido que quanto mais cedo se afastasse do prato onde comeu (e onde ele próprio deitou comida, justo reconhecer) mais bem sucedido seria noutras áreas, no caso nas subidas desde a Liga à FPF, chegando agora à UEFA."
      Certo, TdD. Mas então o comentário do Paulo Monteiro parece legítimo. Um verdadeiro adepto do Porto, alguém com carácter e coluna vertebral, jamais se afastaria assim "do prato onde comeu" ou do amor do seu coração. No mínimo, é um adepto muito fraco do Porto. Um adepto daqueles que não faz falta. Tudo isto se aplica, independentemente de ter feito um bom trabalho no clube.

      Eliminar
    6. TdD, no seu comentário acima menciona este excerto:

      "insatisfação face ao rumo financeiro"

      Deixo uma pergunta a TdD:

      Porque será que a FPF vai encaixar mais uma receita no próximo fim-de-semana e o FCPORTO SAD vai ficar a ver navios?

      Espero que a pergunta seja pertinente e provocante o suficiente.


      Eliminar
    7. concordo em absoluto, encenou uma gala de fantochada

      VIVA O FUTEBOL CLUBE DO PORTO

      Eliminar
  2. Excelente análise, mais uma. E bem...JL no Top 5 :)

    ResponderEliminar
  3. boas notícias que vêm de Madrid, com a renovação do Simeone talvez as hipóteses de ficar com Óliver tenham melhorado...

    ResponderEliminar
  4. E a alegada discussão no balneáreo após o jogo na choupana, alguém sabe o que se passou?

    ResponderEliminar
  5. Desde que cumpra todo o seu contrato, penso que Lopetegui será campeão.

    ResponderEliminar
  6. Caro TdD,

    Muito bom artigo como sempre, mas permita-me discordar de algumas questões que aqui escreve:

    1. "Mas depois do annus horribilis que foi a temporada passada, era essencial retomar a rota dos títulos, coisa já alcançada com Julen Lopetegui."
    Para mim o mais essencial não é a rota, é ganhar mesmo títulos e isso está muito difícil. Se estar só na rota do título é bom isso não é suficiente, isso será ter um pensamento à Sporting, Paulo Bento onde esteve na rota do título 4 anos seguidos e com um plantel bem mais fraco do que este que o FC Porto tem.

    2. "FC Porto tem a melhor defesa da Europa do futebol."
    Isto sendo bom não é de estranhar. Estamos num campeonato onde as equipas que não jogam para o título vêm ao Dragão tentar o pontinho e não tentam sequer atacar, ao contrário dos restantes campeonatos. Se esta estatística é boa nos jogos contra equipas mais complicadas como Braga, Sporting, Benfica ou Guimarães e nas competições europeias, contra as equipas como Arouca nada me diz. É a obrigação de Porto e Benfica.


    Apesar de discordar com estes dois pontos, sou um apoiante do treinador e acho que está a fazer um bom trabalho apesar de no início ter claudicado por desconhecimento do nosso futebol.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.