domingo, 1 de março de 2015

Últimas notas antes do clássico, primeiras do relatório e contas

Em dia de Clássico pouco ou nada mais merece atenção. Ganhar será bom, qualquer outro resultado deixa o título ainda mais difícil. Lopetegui já sabe o que lhe espera: se ganhar, é um treinador cada vez mais com espírito Porto, que está a fazer um bom trabalho e a evoluir o plantel. Se perder, o melhor é tapar os ouvidos. Ou simplesmente ouvir e ignorar, que prognósticos no fim do jogo é fácil de fazer. Mas em quatro clássicos não ganhar nenhum é difícil de digerir.

Lopetegui mostrou, uma vez mais, a elegância nas respostas a João Gabriel Jorge Jesus (uma pequenina falha, vá, mas que não incomoda ninguém a não ser o Sr. Eckhard Romer). Depois de ganhar ao Boavista Lopetegui falou em «sorte e azar». Vá-se lá saber porquê, entenderam que estava a falar de um benefício em relação ao Benfica nas arbitragens. Marco Silva pulou o tema. A Jorge Jesus e a quem tratou de transformar as declarações de «sorte e azar» em críticas ao Benfica e à arbitragem, e pulemos o latim, serviu a carapuça. Extremamente curioso foi Jorge Jesus ter falado do jogo em Penafiel.

Penafiel x FC Porto, 1-3, 17-01-2015
Diz-se que este é o jogo onde o FC Porto mais beneficiado foi. O que se vê é que três ex-árbitros, experientes e de diferentes associações, não concordam com irregularidades em nenhum lance do FC Porto. Nem um lance reúne consenso. Pelo contrário, estes difíceis lances de análise acabam por recolher 66,66% de aprovação.

Hora de vencer
Não são médicos, nem políticos, nem adeptos com palas clubísticas que o dizem. São ex-árbitros, que podem tomar esta decisão sem a pressão de arbitrar um jogo, sem receio de más notas de observadores. Dão a sua opinião e não há absolutamente concordância nenhuma com um golo irregular. Se isto é o máximo que João Gabriel Jorge Jesus consegue encontrar, ou fez mal o trabalho de casa, ou de facto não há muito por onde escolher. Pelo menos do lado do FC Porto.

Lopetegui já deu provas de ser um excelente telefonista, um manager, um líder, um treinador que merece desde já apoio com vista à continuidade para a próxima época. Mas 3 derrotas consecutivas com rivais, sobretudo contra um plantel onde há rapazes que ganham num ano o que alguns jogadores do FC Porto ganham em menos de 2 meses, é impensável. Descubra lá quem será o seu Jorginho, como na época de difíceis clássicos de Co Adriaanse, mas ganhe o jogo, mister, ou lute por isso até cair ao lado. Mas ver Lopetegui cair para o lado já todos vimos no Youtube, ganhar clássicos é que não. Por isso o melhor é mesmo ganhar.

Vale o mesmo para os jogadores. É dia de comerem a relva, que tanta faltinha fez no Bessa. Ninguém pode exigir vitórias, mas exige-se que dêem tudo para lá chegar. Se quiserem e lutarem mais do que o Sporting, vamos ganhar. Continuaremos na luta pelo título até ao fim e garantiremos que o bonito hino da Liga dos Campeões continuará a ter no Porto uma das cidades onde mais vezes se ouviu.

Depois do clássico, como é hábito o R&C será analisado ao pormenor. Para já duas curiosidades. Hernâni custou 2,9M€ por 75% do passe. O FC Porto continua a manter a tendência de quando compra jogadores no mercado nacional não ficar com 100% do passe (também não fica com a totalidade de Sérgio Oliveira, ao contrário do que já se leu por aí). Ou seja, basicamente o mesmo preço que Kelvin, que o FC Porto emprestou para depois ir buscar Hernâni. Não deixa de ser curioso que o Guimarães tenha pedido Kelvin emprestado, para ser titular na equipa A, numa altura em que Hernâni jogava na equipa B. Vá, Hernâni, faz lá aquilo que o teu histórico homónimo fez uma dúzia de vezes ao Sporting: um golo.

Por fim, finalmente a confirmação do que já era dito aqui desde o verão: Ádrian López não custou, até ao final do primeiro semestre, um único cêntimo ao FC Porto. Dos 11M€, o FC Porto nada teve a pagar ao Atlético até ao final do R&C em questão (e o Atlético ainda deve cerca de 200 mil euros de Falcao). No final da época, logo se verá. A análise aprofundada fica para depois, de preferência após atribuir muitos Bonés e um Machado por Bruno de Carvalho não ter podido assistir ao espectáculo na primeira fila.

10 comentários:

  1. A questão do Adrian é de semântica. Não nos pagaram os milhões o que deviam do Falcao e deram-nos o Adrian. Fomos lesados na mesma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a dar-lhe com o Falcao... Não tem absolutamente nada a ver com Falcao nenhum.

      Eliminar
  2. Ainda não pagamos o Adrian mas já aparecem os 11m€ nos pagamentos correntes que vamos ter de fazer ao Atlético !

    ResponderEliminar
  3. Excelentes resultados no R&C

    Há que continuar assim e espero que o 2 Semestre revele bons resultados também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelentes resultados com 22M€ de resultados negativos no 2º trimestre? Eu não sou da mesma opinião!

      Eliminar
    2. Esteja à vontade para explicar esses 22M€.

      Eliminar
    3. TD, lendo o R&C do FCP na página 33 na 1ª coluna a contar da esquerda está o resultado do 2º T de 2014/15 o qual tem o valor de -21,9M€. Dá um resultado negativo mensal superior a -7M, sem vendas de jogadores contando já com um valor próximo de 8M de prémios da Champions. Para mim isto é um resultado desastroso. Que outro nome lhe podemos dar?

      Eliminar
    4. Qual é a novidade nisso, exactamente? Se não há nenhuma mais-valia associada ao 2º trimestre, nenhum Enzo Pérez por exemplo, e se no 1º semestre ainda só entrou cerca de 2/5 das mais-valias orçadas é claro que o prejuízo é grande.

      Isto é a típica análise falaciosa, que conta meia verdade com assinatura encarnada.

      Eliminar
  4. Fiquei intrigado e nada esclarecido acerca desta frase «Ádrian López não custou, até ao final do primeiro semestre, um único cêntimo ao FC Porto. Dos 11M€, o FC Porto nada teve a pagar ao Atlético até ao final do R&C em questão»
    Confesso que não li nem analisei o Relatório e contas, mas alguém me sabe explicar afinal de quem é o passe do Ádrian López e quem deu os 11M€ para jogar no nosso clube? Assim sendo, poderá não fazer parte do nosso plantel e sem custos, na próxima época?
    Parabéns por este excelente blog portista que foge claramente às opiniões e crónicas "mais do mesmo"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A confusão que fazem deste tema não faz o menor sentido.

      O jogador custa 11M€, dos quais o FC Porto ainda não pagou nada. Simples. Ainda não chegou ao prazo para pagar nenhuma tranche. Os negócios raramente são feitos a pronto pagamento. Não tem nada a ver com Falcao nem com dívidas do Atlético.

      Isto é importante na medida em que o FC Porto ainda não é refém de ter pago 11M€ por um jogador que não rende, pois no fim da época pela via de Jorge Mendes será sempre possível avaliar uma solução para o seu futuro. Mas ficando com Ádrian para lá de 2015, claro que o FC Porto paga a contratação. Até ao final do primeiro semestre, só custou salários.

      Nos próximos dias explica-se melhor, mas não parece haver nada mais a explicar.

      Eliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.