quarta-feira, 18 de março de 2015

Circunstância ou consequência

Naturalmente, não se pode avaliar um jogo que não se viu. Mas as estatísticas dão sempre uma ajuda. Pensar numa goleada por 5x0 é pensar numa equipa que massacra outra. O site da UEFA diz que não foi isso que aconteceu no Anderlecht x FC Porto, no adeus à Youth League.

Estatística da UEFA
Não se sabe por obra de que aura belga, mas o Anderlecht, segundo a UEFA, não teve nenhuma boa ocasião de golo... E mesmo assim marcou cinco golos. O FC Porto teve duas boas ocasiões, mas ficou a zero. Em termos de ataques perigosos, segundo a UEFA o FC Porto teve 58, contra 29 do Anderlecht. Seis cantos e 14 remates para o FC Porto, dois e 13 para o Anderlecht. Como é que do meio destes números os belgas conseguiram espremer um 5x0... Só vendo para crer, mesmo que tenha havido 2 golos de penalty e um auto-golo.

Uma goleada destas é acima de tudo circunstância. Mas mais que isso, é também consequência. Podemos pensar nas ausências de Moreto e Rui Pedro. Mas se sentimos tanto a falta de dois jogadores sub-17, então é porque falta algo nesta geração de sub-19 em termos de qualidade. Faltou ainda Leonardo, que (ainda) não pertence aos quadros do clube, e Verdasca.

E mesmo que jogassem, o favorito seria sempre o Anderlecht. Não dá para confundir futebol senior com jovem. Este Anderlecht, na Youth League, goleou Dortmund, eliminou Barcelona, venceu Arsenal e Galatasaray. Neste jogo meteram 14 mil adeptos no estádio, que é provavelmente mais que toda a assistência junta do FC Porto esta temporada. São claros candidatos ao título europeu.

Ruben Macedo
Estamos a falar da formação que lançou Kompany, Januzag e Lukaku, e não é por acaso que se tem elogiado muito o potencial da formação belga nos últimos anos. Mais: os juniores do Anderlecht já têm uma rodagem muito superior aos do FC Porto. Só Gudiño e Rúben Macedo já jogaram tempo relevante na equipa B, enquanto no Anderlecht até jogaram miúdos que já foram utilizados na Liga dos Campeões de seniores. De Medina, Matthys, Bastien, Kawaya, Iseka (the next big thing), tudo jogadores que já jogaram na primeira liga belga e que agora jogaram na Youth League. É uma dimensão à parte.

No último mês houve uma série de resultados muito positivos, nomeadamente a grande entrada na fase final do campeonato de sub-19 (6 pontos de vantagem sobre o Sporting e 7 sobre o Benfica, com vitória por 3x0 no Seixal) e forma como o FC Porto eliminou o Real Madrid. A equipa e potencial são os mesmos. 

Além dos quatro ausentes já referidos, há jogadores que podem e vão jogar num nível superior, como são os casos de Gudiño (ainda não pertence ao FC Porto), Fernando Fonseca, Sérgio Ribeiro e sobretudo Rúben Macedo, o melhor jogador da fornada de 1996. E outros, e claro que aqui entramos no campo da opinião, como Lumor, Fidelis, Sualehe, Chidozie e Djim, que ou mostram o que ninguém vê ou não vão andar muito distantes da senda de Stéphane, Sagna, Musakanya, Enoch, Baldé, Eridson ou Mohamed.

Sábado há jogo para ganhar em Guimarães, rapaziada! 

8 comentários:

  1. Gostava de auscultar a opinião do TD, porque motivo o FC Porto não faz uma filtragem mais eficaz em termos de qualidade na passagem de juvenis para os juniores. Também gostava a sua opinião porque motivo o FC Porto não alarga o seu campo de prospecção, nomeadamente a Sul e mesmo no estrangeiro aproveitando o prestigio que goza além fronteiras. Existem muitos jogadores que não mostram o mínimo potencial para serem jogadores do FC Porto no futebol Sénior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O scouting não se faz com prestígio mas com a ajuda de pessoas competentes na matéria. Isso pressupõe outras valências em termos organizativos.

      Eliminar
    2. Recomenda-se a leitura dos posts na tag «Formação». Um pouco de tudo já debatido.

      Eliminar
  2. Independente do resultado, o trabalho na formação não deve parar, contudo, pode e deve ser melhorado, por exemplo, os jogadores não deviam brincar nas selecções (não só na formação como também na equipa principal) e concentrarem-se em atingir a equipa principal do Porto.

    Relembro que estes jogadores ainda só têm contratos de formação e atingir o futebol profissional deve ser uma prioridade e isto atinge-se nos clubes.

    Afinal uma das razões porque muitos jogadores das selecções são ultrapassados por muitos jogadores brasileiros é porque estes não brincam nas selecções e concentram-se em dar o melhor nos clubes.


    ResponderEliminar
  3. Bom artigo.
    É importante que se "aprenda" a avaliar um jogo pelo que se passa nele e não apenas no resultado.

    ResponderEliminar
  4. Acho que o quadro está errado, foi o FCP que jogou de vermelho e o Anderlecht de azul. Por isso a interpretação das estatísticas está errada, foi ao contrário. Foram os belgas que tiveram 58 ataques.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O quadro está ordenado em «visitado e visitante», não com base nas cores dos equipamentos.

      Eliminar
  5. Perdemos contra o Guimarães. Esta equipa, sim, sabe bem o que está a fazer na sua formação.

    Temos muito a aprender.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.