segunda-feira, 9 de março de 2015

Tapar o sol com o Pereira

O jornal Record é por estes dias uma espécie de pronto-socorro para algumas instâncias do futebol português. Foi por exemplo o único jornal a avançar com a notícia de que a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga abriu um inquérito para investigar a Liga Aliança (alguns posts sobre o tema aqui). Duas semanas depois, alguém voltou a ouvir algo sobre isso? E se não fosse o Record, ouvir-se-ia algo sobre isso? E vai voltar-se a ouvir algo até ao fim do Campeonato, altura em que devem anunciar a brilhante decisão de arquivar o processo?

Lavar as mãos
E agora o Record até serve para o presidente do Conselho de Arbitragem, que tanto tempo andou calado, ter duas páginas inteirinhas para escrever o que quiser. Repare-se que não foi sequer uma entrevista. Será que foi para fazer um balanço das arbitragens do campeonato? Ah não, isso só foi feito uma vez. Em 2010-11, época em que o Benfica ficou a 21 pontos do campeão, mas à 5ª jornada estava repleto de queixas. O responsável pela arbitragem prometia fazer um balanço a cada 5 jornadas. Tendo em conta que na 10ª jornada o Benfica levou 5 no Dragão e ficou a 10 pontos da liderança, subitamente todos acharam que não valia a pena dar mais conferências.

Então para que aproveitou Vítor Pereira o seu espacinho no Record? Para sacudir culpas. Para responder indirectamente ao presidente do FC Porto. Para dar provas de que o próprio Vítor Pereira, querendo justificar que o sistema de nomeações de árbitros tem lógica, acaba por dar um argumento que diz precisamente o contrário.

Atentos ao sistema de nomeações já aqui analisado. Diz o sr. Vítor Pereira que as nomeações têm em consideração a «graduação de Normal, Médio e Difícil» quanto à dificuldade de cada jogo, tendo sempre em conta «a classificação, a rivalidade e factores recentemente ocorridos». E diz que para os jogos de «dificuldade acrescida» devem ser nomeados «árbitros internacionais ou classificados até ao 12º lugar da época anterior».

Meus senhores, que tipo de dificuldade devemos atribuir a um jogo entre: 1) os líderes do campeonato, invictos; 2) dois históricos da primeira liga; 3) num estádio reconhecidamente como um dos mais hostis do campeonato português e com uma das massas adeptas mais fervorosas; 4) numa jornada seguinte a um derby onde 2 dos 3 grandes do futebol português perderam pontos? Normal, médio ou difícil? Muito simples: o Guimarães x FC Porto da 4ª jornada era um jogo de alta dificuldade.

Então o que faz o Conselho de Arbitragem? Nomeia o 15º árbitro do ranking da época anterior. Onde está o critério e lógica nisto, sr. Vítor Pereira? Pinto da Costa só teve razão nas suas declarações e o presidente do CA mostrou a incapacidade de responder à altura e encontrar uma justificação. Duas páginas completas e nem uma linha serve de argumentação.

Mais, Vítor Pereira realça que os clássicos foram todos apitados por árbitros interacionais. Isto é a mesma coisa que uma companhia aérea se gabar por os seus aviões voarem: não é algo que mereça destaque porque é mais que lógico e obrigatório que assim o seja. Os árbitros internacionais têm que apitar os clássicos, porque os internacionais são os melhores (e vai ser esse o argumento quando Duarte Gomes for chamado)... Ah, esperem, já não é assim. Não é assim a partir do momento que árbitros que nunca apitaram os 3 grandes são, com 1 ou 2 jogos de primeira liga, promovidos a internacionais. Ora o que é que o sr. Vítor Pereira diz sobre esta questão? Nada. Duas páginas inteirinhas no Record, só para ele, e nem uma palavra sobre isto.
O incendiário a queixar-se
do escaldão

Os critérios e a legitimidade do Conselho de Arbitragem estão feridos de morte. Não há coerência, rigor ou lógica em várias nomeações e nas promoções a árbitros internacionais. Vítor Pereira preocupou-se não em avaliar e identificar o que de mal tem sido feito, mas sim em lavar as mãos, escudando-se em regulamentos que nem sequer segue. Um exemplo de uma personagem do futebol que está mais preocupado em defender o seu cargo do que a integridade e transparência da competição pela qual devia lutar. A vergonha não se vende nas farmácias, mas é um sentimento que muitos não deviam hesitar em abraçar.

Dito isto, vamos às palavras de João Gabriel Jorge Jesus, que com a ironia dos pobres preocupou-se que pudessem achar que o Benfica foi beneficiado por ter jogado contra 10 em Arouca. Esta estratégia de querer tapar o sol com a peneira tem a sua piada, mas acima de tudo dá pena.

O Benfica até podia acabar todos os jogos a jogar contra 7. Isso não significa que foi beneficiado. Por isso insiste-se que andar a contar todas as expulsões só faz com que se perca a razão na hora de argumentar. O que interessa não é o número de expulsões, mas sim se os lances foram bem ou mal ajuizados.

O jornal As seguiu a sua linha editorial e voltou a dizer que o campeonato português está comprometido pelas arbitragens (se calhar agora o director de comunicação do Benfica vai tentar escrever na Marca). É bom ver a imprensa estrangeira retratar aquilo que é abafado em Portugal. Mas o As dá o mais disparatado dos argumentos: «O dado mais evidente é que o Benfica já recebeu 9 expulsões a favor em 23 jogos». Mas o que interessa se foram 9, 19 ou 90? Isso não quer dizer nada. Importante é perceber quantas expulsões foram bem ou mal mostradas, e ver se há um critério que seja seguido em Portugal. E o que se vê? Discrepância de critério. O árbitro Vasco Santos expulsa (no meu entender bem) Hugo Basto quando Lima se ia isolar, ainda fora da grande área. E num recente FC Porto x Paços, num lance já dentro da grande área, Hélder Lopes só vê amarelo. Cada árbitro tem o seu critério, certo, mas as diretrizes do CA são iguais para todos. Se não são, é apenas mais um falhanço no consulado de Vítor Pereira.

Hoje o Benfica até foi prejudicado, e em mais do que um lance, e teve o mérito de evitar que pela primeira vez perdesse pontos por erros de arbitragens (contra este Arouca não era de esperar outra coisa). Mas foi a história de um jogo. Uma história que não muda nada em relação às 23 jornadas restantes

Por muito que Jorge Jesus queira queixar-se que lhe romperam o casaco, a verdade é que o Benfica e agentes desportivos como o sr. Vítor Pereira já despiram a verdade desportiva desta época. E depois disto tudo, nós, FC Porto, continuamos na luta, de pé, e terça-feira voltaremos a mostrar porque é que continuamos na Liga dos Campeões. É que na Champions não há quem nos fure os pneus, nem quem leve outros a reboque. Uma brisa de 87 no ar.

10 comentários:

  1. Não sei até que ponto vale a pena continuar com esta discussão das arbitragens o mal está feito e está visto que andamos a pregar aos peixes.

    Edit: Era o Lima que se ia a isolar e não o Gaitán.

    ResponderEliminar
  2. É bom que se esclareça que não andamos a dormir nem comemos gelados com a testa!
    Eles assim fica m a saber que ainda estão a vir e nós já estamos a ir.....
    Muito bom "post"

    ResponderEliminar
  3. Há mais exemplos que contradizem o Vítor Pereira.

    O porto vai a Moreira de Cónegos e tem um internacional (xistra), o benfica vai lá e leva com um badocha de fafe (jorge ferreira). O mesmo em Penafiel, Arouca... Mesmo não sendo, à priori, jogos de dificuldade acrescida, nós levamos com árbitros com a carreira consolidada, outros com árbitros que lutam para a não descer. E mais: o historial dos nomeados, por exemplo, o Paixão, sabendo no que dá sempre que arbitra o seu clube, esteve em dois jogos fora complicados (nacional e paços).

    Não vale a pena o chefe dos apitos refugiar-se nos regulamentos e estatísticas, quando as nomeações que faz traduzem um proteccionismo evidente ao clube que lidera o campeonato.

    ResponderEliminar
  4. Esqueci-me... Levar com o Duarte Gomes no clássico é o mesmo que lá porem um paixão mais soft...

    ResponderEliminar
  5. Uma brisa de 87? Lol
    Era bom era. Mas praticamente impossível..

    ResponderEliminar
  6. Caro tribunal do dragão, sou um leitor assíduo do teu blogue e partilho de muitas das tuas opiniões. Seria interessante fazeres uma análise ao facto de tanto o Benfica como o Sporting esta temporada já terem jogado aos fins de semana à tarde e o FC Porto nunca. Afinal será assim tão má a Olivedesportos para o Benfica e Sporting? É que sinceramente nunca entendi o ataque feroz do Benfica à Olivedesportos quando sempre tivera excelentes relações com Joaquim Oliveira, pareceu-me sempre que se tratou de um "bode expiatório" para desvalorizar as vitórias do FC Porto, afinal de contas, a SportTV permite que o Benfica encha o estádio do Arouca às 16h00 de Domingo, não sei se com o jogo às 20h15 tal seria possível.

    ResponderEliminar
  7. Penso que Vítor Pereira já deve sentir o seu lugar em risco.
    Afastou gradualmente Proença numa fase em que sentia que este pudesse estar algo queimado perante os grandes, mas afinal findada a carreira do árbitro, todos lhe reconheceram competência, receberam-no em suas casas e até houve direito a homenagens.

    Depois de mais uma época desastrosa do CA e com uma alternativa viável em campo, o que quer que aconteça até ao final da época, é necessário pressionar a FPF de forma a limpar aquela corja.

    Não sou contra o sorteio de árbitros, desde que este cumpra com algumas restrições e não seja, como foi anteriormente, uma selva onde os piores árbitros podiam ser sorteados para os jogos mais díficeis. Que sejam respeitadas as categorias e os graus de dificuldade.
    Entretanto, mais uma capelada ontem.


    AA

    ResponderEliminar
  8. Caro Td, o que sabe sobre uma conversa "especial" ao intervalo dum dirigente benfiquista com o Gr do Arouca?
    Depois da reunião com o Presidente do Belenenses devido a Deyverson e Miguel Rosa...
    Estão a fazer tudo mas tudo para garantirem o Bi...
    O silêncio da Sad do Fcp...é que me entristece!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Clássico do futebol português: se um guarda-redes comete erros na segunda parte, é porque foi comprado ao intervalo.

      Eliminar
    2. O Goicoechea dar frangos não é assim tão anormal. Se fosse não tinha saído da Roma. Ou saindo da Roma não vinha para o Arouca (com todo o respeito). É como anunciarem em Setúbal que contrataram o GR do Bayern de Munique e o jovem alemão afinal vê-se grego (lol) para sequer ser titular. Não há almoços grátis :)

      Eliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.