sábado, 21 de junho de 2014

Empréstimos bancários e obrigacionistas: quanto deve a SAD do FC Porto?

Um leitor d'O Tribunal do Dragão lançou a questão: quanto tem a SAD do FC Porto a pagar por empréstimos nos próximos tempos? Fomos ao último relatório e contas trimestral fazer e detalhar as contas, contabilizando apenas os empréstimos bancários e obrigacionistas. Refira-se que a taxa anual média é de 7,45%.

Fernando Gomes, o sucessor de
Angelino Ferreira na SAD
Junho de 2014 - 10 milhões de euros. Empréstimo obrigacionista de 2011-14, que fica desde já coberto com o novo empréstimo obrigacionista, de 20 milhões de euros, com maturidade em 2017.

Outubro de 2014 - 30 milhões de euros. Este empréstimo, celebrado com o BES, prevê o pagamento de 23 milhões de euros em julho e 7 milhões em outubro. Mas há uma garantia que obriga a SAD a liquidar o montante total assim que venda Mangala ou Jackson Martínez. Quer isto dizer que o dinheiro da venda de Mangala ou Jackson Martínez entrará, directamente, para a liquidação deste empréstimo.

Abril de 2015 - 2,1 milhões de euros. Empréstimo também com o BES.

Maio de 2015 - 30 milhões de euros. Empréstimo obrigacionista 2012-15. Não haverá a mínima hipótese da SAD liquidar este empréstimo durante a época 2014-15, a não ser que consiga, literalmente, vender todo o plantel. Por isso, a solução inevitável acabará por ser a emissão de novo empréstimo obrigacionista, para 2015-18, ou bancário. A única dúvida será o valor a ser emitido, mas é mais do que garantido que o balanço da procura/oferta vai ser «um sucesso» (ler mais aqui).

Janeiro de 2016 - 1,75 milhões de euros. Empréstimo com o BES, 4 prestações de 437,5 mil euros entre julho de 2014 e janeiro de 2016.

Setembro de 2016 - 17 milhões de euros. Empréstimo com o BES, 5,5 milhões de euros contabilizados como corrente e 11,5 não corrente. As prestações: 5,5 milhões em setembro de 2014, 5,5 milhões em setembro de 2015 e 6 milhões em setembro de 2016.

Dezembro de 2016 - 2,268.750 milhões de euros. Empréstimo com Milennium BCP, com verba corrente de 825 mil euros. Doze prestações trimestrais entre março de 2014 e a referida maturidade do empréstimo.

Um bolo total de 93,12 milhões de euros. Até ao final do ano civil, excluindo o empréstimo obrigacionista já coberto este mês e os empréstimos abaixo dos 2,3 milhões de euros, há a pagar 30 milhões de euros até outubro (vai ser liquidado antes, com as vendas de Jackson e/ou Mangala) e 5,5 milhões de euros em setembro. É a realidade da FC Porto SAD, neste momento, e um problema que será solucionado com a venda a curto prazo de jogadores. A questão que sobra é a de sempre: modelo (in)sustentável até quando?
Relatório e contas do terceiro trimestre 2013-14 da SAD do FC Porto
Por curiosidade, e a desafio de outro leitor, um olho aos rivais. Tendo em conta que o Sporting foi alvo de uma reestruturação financeira, o caso é particular e não merece comparação. Mas espreitemos o que dizem as contas do rival Benfica.

Carrega, dívida!
De março de 2014 a abril de 2016, o Benfica tem a pagar/cobrir 264,215 milhões de euros entre empréstimos bancários, empréstimos obrigacionais e "outros empréstimos", nomeadamente o Papel Comercial 2014-19, este já com maturidade em abril último. Isto excluindo as taxas de juro, com média anual de 7,93%.

Se nos focarmos apenas no ano de 2014, têm maturidade este ano as dívidas de 64,3 milhões ao BES (abril), 24,6 milhões pelo Papel Comercial (abril), 315 mil euros ao Afisa (julho) e dois empréstimos obrigacionistas de 35 milhões (outubro) e 50 milhões (dezembro). Por isso, não é surpresa que Matic, André Gomes e Rodrigo só tenham servido para tapar uma cárie. Mas calma, porque o terceiro trimestre deu lucro de 20 milhões. Despachem-se a preencher o cupão enviado pelos CTT.

8 comentários:

  1. Qualquer empréstimo bancário tem garantias associadas. Sempre foi assim, sempre assim será. Aqui, ali, acolá. sendo que, no caso dos clubes de futebol, essas garantias são fundamentalmente os passes dos jogadores. No entanto, não é pelo empréstimo "x" ter como garantia associada "y" (passe do jogador "y") que implica este ter que ser vendido para então ser pago o referido empréstimo. No momento do vencimento as partes podem acordar novo empréstimo do mesmo valor, valor menor, maior, seja o que for. Ou ser desde logo pago, não implicando a venda da referida garantia. O banco querer o dinheiro de volta não implica que este provenha da venda da garantia associada.

    Quantos aos nossos "amigos" de lá de baixo, têm no C/M Prazo (Dados de 31/3/2014) 72,2ME de Dívidas Bancárias; 84,7ME de Empréstimos Obrigacionistas e outros 24,6ME de Papel Comercial. No M/L Prazo outros 60,1ME de Dívidas Bancárias e 43,7ME de Empréstimos Obrigacionistas. Todo este conjunto de Dívidas resultam em 285,3ME. Isto é, apenas estes 3 itens chegam desde logo para ultrapassar o Passivo Global e Consolidado de todo o Grupo FCPorto.

    Nós, não estando bem, temos números bem mais em conta: Para o C/M Prazo temos 65,3ME de Dívidas Bancárias; e no M/L Prazo outros 13,8ME, e os Empréstimos Obrigacionistas que, já com o novo de 20ME, atingem no total cerca de 50ME. São portanto cerca de 130ME comparados com 285ME dos coisinhos. Diferença assinalável.

    É evidente que para a constante propaganda instalada na CS portuguesa, que branqueia tudo o que se passa no clube do regime, mentindo, adulterando, iludindo os seus próprios adeptos e adversários, existe um clube de fartos recursos, que vive no "eldorado" financeiro (e desportivo), mas não passa de um mundo fictício, que só existe virtualmente na mente dos seus adeptos que gostam desta ilusão. Vieira agradece. Há por outro lado um outro clube, o nosso, que é constantemente difamado, menorizado, seja no aspecto desportivo seja na parte financeira, ao ponto de boa parte dos seus próprios adeptos não o perceberem por "comerem" quase tudo o que lhes é dado pela CS.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «No entanto, não é pelo empréstimo "x" ter como garantia associada "y" (passe do jogador "y") que implica este ter que ser vendido para então ser pago o referido empréstimo.» O que o Rogério diz é verdade, mas neste caso temos a particularidade da SAD assumir que estará «obrigada a liquidá-lo imediata a antecipadamente» assim que vendam Mangala ou Jackson. Se pode ser sujeito a um acordo, só a SAD e a banca saberão. Mas os dados que temos disponíveis para análise indicam que é uma cláusula de obrigatoriedade. Não é, por exemplo, como nos casos de Helton e Fucile. Os seus passes também foram dados como garantia, mas sem que uma venda tivesse que ser revertida para a liquidação do empréstimo. Neste caso, a prática comum até é trocar a garantia, um jogador por outro.

      Já agora obrigado pelo comentário mais detalhado, que valoriza este espaço.

      Eliminar
  2. Qual será a melhor forma de controlarmos o aspecto financeiro do clube?

    Penso que andamos a viver acima das nossas possibilidades, temos de voltar ao início do século e saber comprar o desconhecido e torná-lo indispensável. Penso que o nosso principal problema foram as contratações milionárias mais recentes e as 'amizades'.

    Gostava de ler um comentário teu, relativamente aos empresários e às guerras constantes de passes, etc. Por favor.

    Abraço e continuação de bom trabalho!

    ResponderEliminar
  3. Obrigado pela análise! É uma gestão perigosa ! Quanto aos rivais, não me admira mas ao contrário de nós eles terão sempre benesses e perdões! Operações coração e afins

    ResponderEliminar
  4. Que Luxo ter um espaço destes para elucidar - leigos como eu - a vertente financeira do negocio que se tornou o futebol e Luxo também ler comentários como o do sr.Rogério Almeida que muito contribuem para a elevação deste mesmo espaço. Está encontrado o meu local favorito da actualidade Azul e Branca .
    Bem Hajam.

    ResponderEliminar
  5. Rogério...grande post...

    FCP777

    ResponderEliminar
  6. Tentei publicar de manhã mas não devo ter consigo.
    Dar os parabéns pelo blog que já é de leitura obrigatoria e também pela análise dos passivos financeiros.
    Já agora, o blog poderia é fazer um post sobre o real passivo dos 3 clubes. Muito se fala sobre isso e eu pessoalmente gostaria de saber o que se passa na minha casa.

    ResponderEliminar
  7. Caro Jorge, essa análise só será possível de fazer no dia em que todos os clubes apresentem contas consolidadas de todo o grupo, coisa que só o FC Porto fez em 2012-13 e uma irregularidade nos dois rivais que só o Dr. Angelino Ferreira denunciou publicamente. Uma coisa são contas consolidadas da SAD, outra são as contas de todo o grupo, que apresentámos pela primeira vez em 2012-13. E se na Segunda Circular nem contas auditadas há no 3.º trimestre, então não merece termo de comparação.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.