quinta-feira, 24 de julho de 2014

O pânico desprovido de coerência

Colunistas, adeptos rivais e comentadores desportivos partilham do mesmo momento de pânico: o investimento do FC Porto para 2014-15. Uns falam em petróleo, outros comentam como se se tratasse de um investimento sem paralelo em toda a história do futebol português. Como tanto gostamos de fazer n'O Tribunal do Dragão, vamos aos números.

Investimento para 14-15,
mas a médio prazo
Até ao momento, o investimento é inferior a 30 milhões de euros. Adrián (60%, 11M), Indi (100%, 7,7M) e Brahimi (100%, 6,5M) foram os únicos números declarados. Ainda chegarão pelo menos mais três jogadores ao plantel, pelo que o investimento vai certamente superar a barreira dos 30 milhões de euros.  Mas virtualmente, são despesas que só a venda de Jackson Martínez, caso avance e se confirme por uma verba superior a 30 milhões (por menos não haverá negócio), conseguiria por si só cobrir. E estamos a falar de uma dúzia de jogadores contratados com qualidade insuspeita, ao preço de uma... venda.

E agora vamos recuar até 2013-14. Alguém se recorda de tal pânico face ao investimento do FC Porto? Fazendo as contas: 7M por Reyes, 8 por Herrera, 3,8 por Ghilas, 5 por Quintero, 1,6 por Ricardo, 1,5 por Licá, 0,9 por Carlos Eduardo e 0,5 por Josué. Tudo sem contar com encargos adicionais, e mesmo sem comprar nenhum jogador a 100% (o FC Porto já tinha metade de Josué), em 2013-14 foram investidos 28,3 milhões de euros só na aquisição de passes. Mais do que o FC Porto já investiu, até ao momento, a pensar em 2014-15. Porque é que na altura ninguém entrou em pânico?

E agora vamos às contas deste ano, 2014-15. Assumindo que o FC Porto vai ultrapassar com facilidade os 30 milhões de euros em investimento, grande parte dessa verba não será corrente. Quer isto dizer que o FC Porto não vai pagar tudo esta época, como é lógico, e que as contratações incluem tranches que aliviam os problemas de tesouraria no curto prazo. Além disso, as terceiras partes vão avançar para alienações no decorrer de 2014-15. O FC Porto verá os passes serem reduzidos e no futuro irá certamente ver os fundos lucrarem 3 ou 4 vezes mais, mas isso minimiza o investimento no curto prazo enquanto se garantem jogadores de calibre.

São assim as contas para 2014-15, num FC Porto que se vender Jackson Martínez vai superar os 70 milhões de euros em encaixes com vendas, devendo ainda lucrar mais com os excendentários e podendo ainda chegar a somas razoáveis com nomes como Defour e Varela. Em termos de investimento, mesmo que em termos contabilísticos supere os 30 milhões de euros, em 2014-15 o FC Porto terá uma parte significativa da verba remetida à rubrica de fornecedores e vai recuperar parte do investimento no curto prazo com alienações de passes.

Numa perspectiva global e simplista (aquela em que os «desopinadores» se baseiam, ora por desconhecimento de causa, ora por abafo ao mesmo), vamos assumir que o investimento é 30 milhões de euros. 30. Curiosamente, nos últimos 3 anos não há memória de ter havido ebulição e alarido por números... «ligeiramente» superiores. 






19 comentários:

  1. Magnífico! Um post fantástico e que merecia ser partilhado por todos os portistas.

    ResponderEliminar
  2. Boa análise, excelente perspetiva sobre a hipocrisia da comunicação social.
    Bem haja por este serviço público de esclarecimento.

    ResponderEliminar
  3. Farei questão de partilhar nas minhas redes sociais.

    Excelente post.

    ResponderEliminar
  4. Este é "só" o melhor blog sobre o FC Porto. Muitos parabéns pelo projeto e continue durante muito muito tempo!

    PS: "É o ultimo ano em que precisamos de vender" - Agosto de 2013 ahahahahahahahahha

    ResponderEliminar
  5. Será o Clasie um nome assim tão impossível? É que já deu para ver que Lopetegui não conta com Quintero, era o nome que faltava para fechar o meio-campo, trocava-se com o Defour! Por mim mesmo que Jackson saia não vinha mais nenhum ponta-de-lança, André Silva e Gonçalo têm que ser lançados!! E Ricardo Costa a vir à baila, tem sentido? Seria um bom capitão, experiente, portista, e como disse e bem falta mística!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quintero começou a treinar no início da semana, não entendo como é possível tirar essas conclusões.

      As impossibilidades em torno do Clasie foram reforçadas pelo próprio FC Porto a partir do momento em que contratou o Indi. Para um eventual acordo ser possível ter-se-ia que jogar com a vontade do jogador, superar a intransigência do Feyenoord, abrir vaga no plantel e garantir um encaixe superior no mercado de transferências...

      A equipa B tem que ter 2 pontas-de-lança. O Kléber está de passagem e o Jonathan nem nos sub-19 convencia. Não há outras soluções. O Gonçalo será sempre o 3º ponta-de-lança da equipa A, ou o André Silva se o treinador o entender, sendo que não faz sentido lançar o jogador se não lhe renovarem o contrato.

      Ricardo Costa se vier não é por ser um possível capitão, é por o Maicon sair (visto que o acordo com Marcano está feito e não me parece que haja margem para o romper) e por dar uma grande ajuda nas inscrições na UEFA.

      E o Ricardo Costa ganhava 3,7 milhões de euros por ano no Valência, e para um jogador de 33 anos o FC Porto não pode oferecer nem um quarto disso. http://www.marca.com/2014/01/11/futbol/equipos/valencia/1389461547.html

      Eliminar
    2. R. Costa rejeitou o Hamburgo e eles não deveriam oferecer pouco de salário. 3,7M no Valencia tiro-lhe o chapéu. Que grande contrato que fez. Talvez o seu portismo o levasse a baixar drásticamente o seu salário, mas não sei. Não me acredito muito que o Maicon saia, também não tenho muita confiança em Marcano, nem sei para o que é que o vamos buscar pelos valores que se falam, 3 ou 4M parece-me exagerado.

      Os holandeses falam na saída do Clasie por 8M, não sei até que ponto isso é verdade, mas a venda de Defour e Varela certamente cobrem esse valor, sobrando um excedente ainda razoavel, uma vez que calculo que se consiga vender cada um por pelo menos 5M.

      Joel

      Eliminar
    3. É pena se o FC Porto não contratar o Ricardo em detrimento do outro espanhol.
      Independentemente da idade, acredito que tenha mais qualidade e como disse o TdD ao nível das inscrições para a UEFA era perfeito. No balneário seria um jogador importante, acredito eu. Quanto ao vencimento, acredito que aceite baixar para regressar ao seu país e ao seu clube.

      Quanto ao Quintero, apesar das boas contratações que o nosso Porto fez este ano eu acho que ele é um dos nossos melhores jogadores. Tem um pé esquerdo sensacional mas enquanto jogador tem de crescer muito...e espero que o Lopetegui saiba potenciar isso...mas o miúdo tem que jogar!!

      Cumprimentos a todos

      Eliminar
  6. Olá
    mais um post onde se colocam os pontos nos iiiiiiiiii.
    Que bom seria se os jornalistas da nossa praça «falassem» estas verdades...

    ______________________________________

    P.S. Neste momento, a tremideira dos nossos rivais é tanta, que ainda vem por aí um sismo.....:-)

    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  7. Há a questão da carga salarial que acredito estar bem mais pesada. Além do acréscimo de custos que pode implicar manter alguns jogadores.
    Mas de qq forma não estamos numa situação assim tão grave.

    Já agora em relação ao passivo, se a rubrica fornecedores são dívidas a clubes, o que entra na rubrica outros passivos correntes? Eram duas rubricas que representavam cerca de 70M no último relatório que vi

    ResponderEliminar
  8. Olá a todos,
    Entre os elementos que ainda virão, está certamente um guarda redes, um central, o terceiro elemento é um ponta de lança? Ou será outro medio defensivo? Bem que gostava que viesse o Clasie, muita raça e qualidade de passe juntaria ao nosso meio campo.Cumprimentos
    Mrodrigues

    ResponderEliminar
  9. Olá
    A propósito de pânico, reparemos nesta notícia:

    «Os desacatos amplamente noticiados que tiveram lugar antes do último FC Porto-Sporting, a 27 de outubro do ano passado, provocados por adeptos do FC Porto, tiveram uma pena irrisória para os dragões. » ( http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Porto/interior.aspx?content_id=896258 ).

    Mas então, à época dos incidentes neste mesmo jornal não foram imputadas as culpas aos adeptos do Sporting? ( « Desordeiros do Dragão são do Sporting e de extrema-direita» ___ http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=851163 )

    ______________________________________

    Eu se fosse jornalista, tinha vergonha de ter «colegas» destes no seio da minha classe profissional....

    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é uma crítica que não faz sentido, porque uma coisa é a notícia avançada pelo Record (que os desacatos foram provocados por sportinguistas de extrema direita), e outra é o processo disciplinar da Liga, que entendeu que quem provocou os desacatos foram adeptos do FC Porto. Basta ler a deliberação do CD da FPF.

      Neste caso, se há crítica a fazer é para o CD, não é para o Record, que se limitou a reproduzir hoje aquilo que o CD deliberou em comunicado.

      Eliminar
    2. Caro TdD,
      Desculpe, mas discordo. Na deliberação não está escrito nem que os desacatos foram provocados pelos adeptos do FCP (para julgar a culpabilidade é que foi instaurado o processo), nem classifica a pena de irrisória. Tanto dizer que foram provocados pelos nossos adeptos como a adjetivação da pena é de exclusiva responsabilidade do jornalista que assina a peça.
      A FCP-SAD foi absolvida, o único condenado foi um director de segurança, portanto caso fossem imputadas culpas aos adeptos, isto não aconteceria.

      Foi uma peça infeliz de um jornalista. Mas siga viagem, há "bons e maus" em todo o lado

      Eliminar
    3. Na questão do «irrisório» e da adjetivação, totalmente de acordo, mas não surpreende por a peça ser assinada por um antigo palhaçito da SIC Radical (nem tinha reparado na primeira leitura). Mas no entender do CD da FPF, quem colocou em perigo agentes desportivos não foi o Sporting, mas sim o FC Porto, o que não corresponde à realidade e que todos testemunhámos. O facto do FC Porto ser indiciado como infrator na abertura do processo, em detrimento do Sporting, é o que merece a maior crítica no meio de tudo isto.

      Eliminar
    4. Olá
      Caro TdD
      Independentemnte do Sporting ter saído disto a assobiar para o ar ( agora percebe-se o apoio do Spoting ao actual pesidente da Liga), o meu post teve o objectvo de chamara a atenção para o «jornalismo»???? que se pratica no Record, daí eu ter transcrito a frase:
      " "Os desacatos amplamente noticiados que tiveram lugar antes do último FC Porto-Sporting, a 27 de outubro do ano passado, provocados por adeptos do FC Porto, tiveram uma pena irrisória para os dragões."

      Como se pode ver, desta vez, o Record não tem dúvidas de que os desacatos foram provocados pelos adeptos do FCPorto e a pena foi irisória.

      Esteve bem o user Jorge Pereira e estranhei o primeiro comentário do TdD....

      Cumprs
      Augusto

      Eliminar
  10. A questão dos jornais é uma e foi bem respondida neste artigo.

    Gostaria que tivesse ido mais além do que o ping pong com a propaganda anti-Porto.
    É óptimo para inflamar as hostes mas replica a infeliz prática do site oficial do clube que valoriza demais o que Leonor Pinhão, Rui Santos dizem e pouco liga a outros assuntos bem mais graves e que prejudicam o Porto nos relvados.

    Adiante.
    Se o Tribunal gosta de ir aos números pedia-lhe que respondesse a estas dúvidas:

    A massa salarial dos jogadores que entram em 2014/15 é comparável com a dos jogadores que entraram em 2013/14. Lembro que o Sporting de Godinho Lopes enterrou o clube mais com a massa salarial à Labyad do que com o passe à Elias.

    Os resultados operacionais do Porto são negativos. O nivel do Porto é o que é pela gestão de activos. Por haver Jacksons, Mangalas todos os anos ou quase todos os anos.
    Por fazer mexer a roda.
    Como é que com Adriens, Casemiros, Olivers, Brahimis se faz mexer a roda?
    Como é que se sustenta esta massa salarial com a entrada de 4/5/6 jogadores que só são activos desportivos? Activos que irão tapar Herreras e Quinteros.

    Os resultados operacionais continuarão negativos.
    Os resultados extraordinários tenderão a não compensar esse deficit.
    É um all in nos resultados desportivos e numa possível boa campanha na Champions que faça mexer a toda.

    O problema é que se os resultados operacionais e extraordinários do Ano N, Ano N+1 e ANO N+2 nos desviarem da rota habitual os resultados desportivos do Ano N+3,N+4 e N+5 vão cair a pique.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão da massa salarial é pertinente, mas obviamente que impossível de antecipar, por desconhecer os números de cada jogador. Essa comparação só poderá ser feita a partir do momento que forem apresentados os custos com pessoal no 1º trimestre. Além disso, face a 2013-14, saíram alguns dos jogadores mais bem pagos do clube, como Otamendi, Fernando, Lucho e até o Mangala. Outros como Defour e Varela podem sair e não ganham tão pouco quanto isso.

      A roda para o verão de 2015 está assegurada com Danilo e Alex Sandro. A partir de 2016, quiçá Quintero, Herrera ou outro dos nomes que entrou agora. É um modelo de risco e que não subscrevo, mas os grandes desafios surgirão sobretudo a partir de 2016, quando estivermos na posse de um plantel em que nem os miúdos da formação chegam à equipa A com 100% do passe.

      Eliminar
  11. Seria necessário renovar com Danilo e Alex Sandro para que 2015 possa assegurar essa roda. Caso contrário será uma roda bem pequenina.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.